Interview: Luca Massaro (Partout)

Luca Massaro is a young man with some crazy and good ideas inside his mind. We’ve been talking to him for a month now and, since his first email, we figured out that we were dealing with an enthusiast, a fresh blood full of excitement to do and show stuff.

The photographer seems to shoot every little thing he comes to see. With a range of personal projects and good commissioned works, Luca is creating an interesting style based on different references and influences. From the radical architects of the 1960′s Superstudio to the huge contemporary artist Wolfgang Tillmans, his pictures connect all this together in a single piece of work.

In Partout, Luca makes distinct tasks in collaboration with Claire Duport, Francesco Tacchini, Massimiliano Savino and Dumbo Gets Mad. Consisting of a series of pictures to be shown in Paris, the book ‘Quaderno’ and the Continuous Exhibition, Partout represents the art of Luca in its best.

If in you are in Paris this week, don’t hesitate to come to Partout: from 16th to 18th, 19-21h (or appointment) 37 Rue Breguet, Paris 75011.

Hi Luca. First, thanks a lot for talking with us and sharing a bit of your work. Can you introduce yourself and what you’ve been doing in the past few months?
Yes ciao, I’m Luca Massaro, 21 years old, italian photographer now based in Paris. After a great summer mostly in Japan, I moved here in september for my last year of university, exchange at Paris Sorbonne. I’m studying literature and communication and I’m working on my thesis about semiotic analysis of the photographic image.
I found my perfect space in Paris, I met interesting new people in a fresh and stimulating environment. During the past month I’ve been shooting stuff for Bullett Magazine and Vice France, out soon, and I worked on two personal projects. The first one “Partout” will be presented in my studio during Paris Photo, from 16th to 18th November.

Your work has a lot to do with spaces and the relation people have with them. In “Partout”, not only the subject of the pictures, but also the way you are presenting it, emphasizes the different dimensions of things. Through three kinds of presentation (the private exhibition, the book and the video) you manage to show your work by distinct perspectives. In a way, “Partout” have architectural references (Superstudio) but it’s you who actually act like an architect and build stuff yourself. Please, can you tell us more about this project and how did you come to it?
There are a lot of visual references, from my elementary school copybook, “Quaderno“, to minimalism, from radical architecture to Ghirri and Egglestone. I was talking with my friend and architect Massimilano about the ideas behind the “continuous monument” by Superstudio, great italian artists, (anti-) architects and (anti-) designers of the late 60s. Their minimal pattern visually impressed me a lot  and reminded me of the photographic grid. In fact, I think Partout is more of a visual reflexion about the photography medium, and so about the way our mind works in this society of the images. I’ve read “La Chambre Claire” by Barthes, who says that every photo has a “punctum”, one component of the image, normally in the center of the frame, which is more important than the others and attire the attention of the spectator. This is true for most of the photos we are used to look at, everyday everywhere. But is it possible to watch things with a different decoding language? With a passe-partout (same as with the photographic frame) is it possible to find a punctum “partout”, everywhere?

You’re proving to face no boundaries for presenting photography. You lovely achieve that in “Partout” but also in your Post-it Exhibition you did in Milan, where you made an awesome parallel with “wall photos” on Facebook. We call that real street photography, or physical tumblr. Is there a special meaning in doing that? Are you trying to question the importance of galleries maybe?
Yes lately I’ve been reading a lot about spaces. In “Lighter” by Tillmans, for example, the subject is the space of exhibition itself and installations. I find it very interesting, and I’m trying to present my work in different ways. Experimenting with the book as a medium, doing “menabò” books, with references to the sculpture and to the copybook pages. I’m trying to do the same with the space of exhibitions  and the spectator’s relation to it.. This presentation in my studio will close a cycle of exhibitions I’ve been doing this year. In the first one, the interactive space of a happening-exhibition made the spectators, spect-actors. In the second one “post-it exhibition” I was very influenced by street art, and its reconfiguration of art, institutions and viewer relations, but also by the differences between the seen reality and the photographed reality, as in Kosuth’s “One and Three Chairs”. Then also the “continuous exhibition”, in collaboration with Massimiliano Savino and Dumbo Gets Mad aims to reflect about the exhibition in the time of virtual space, tumblr and websites, with a provocative show on youtube. I’m also very excited to show “Partout” in my studio in a very personal, self curated exhibition.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

You have already contributed to big magazines such as AnOther, Bullett, Vice, Pizza and Pig Magazine… What are the differences between your personal work and the commissioned ones?
I’m trying to use “the magazine as my primary art medium”, as Tillmans once said. I really don’t see the contradiction that some “artists” find between good commissioned works and personal projects. Artists and writers used and even created magazines as a form of art (from Dada and Warhol, to Cattellan’s Toilet Paper). Media studies influence me a lot so I’m glad to collaborate with media (also as a journalist) as long as I’m working the way I want without compromises. I see a link in the themes and style I’m using for personal and commissioned photography. For example in december I’ll shoot a fashion story with a super good magazine with the same visual references as Partout in the clothes and architectures. To me photography is a way to see the world, to think. I want my work to be in the gap between art and life, “in the conjunction between a mirror and an encyclopedia”, as the first words of the book I’ve started reading yesterday.

Can you tell us about your references? Where does this relation with architecture and urban issues come from?
My friend Massimiliano Savino introduced and explained me something about architecture and design. From Mies Van Der Rohe’s “less is more” to Memphis Group, to more trippy stuff. I don’t want to focus my lens on a single object and repeat myself forever with the same style and in the same fields.. I’m very curious and I read a lot from literature to art essays: that’s why I got interested in architecture and design and I’m trying to express it through my photography. Isn’t art useless beautiful design/architecture?  Isn’t design/architecture useful art? Once artists were more open to experiment and express themselves through different media. That’s what I want to do.
Lately my main influences comes from friends, photographers (from Ghirri and Tillmans to Soth and Lange), art books, exhibitions and magazines, music (from good old Dylan, Madlib, Rino Gaetano and Arthur Russell, to new Kindness, Dumbo Gets Mad, Joey Badass and Steve Gunn), design, books (I’m reading Borges and Benjamin), cinema (Bresson, Fellini, Malick) and the list is infinite. As once Dylan said “every corners of the streets influence me”. By the way if I had to choose the one who most influences me I would say Bob Dylan himself.

Any future plans?
Yes, so many plans! I will do the Partout exhibition from 16th to 18th, 19-21h (or appointment) –  37 Rue Breguet, Paris 75011.
Then I’ll be in Sardinia from the 20th November. I’ve been invited by the new Urban Center of Nuoro, to do a reportage for a personal exhibition I will do in their gallery in December, and for a photography lesson (about my photography thesis) for some students of the last year of the lyceum, which are actually 3 years younger than me, so it’s quite scary ahah.
In december some of my pictures will be published on Vice Magazine, and on an italian zine. Then at the end of december and january some really exciting commissioned works.  And I’ll keep working on my 2 years ongoing upcoming personal project “Philologia” and “Partout”. I really would like to publish them in the form of real books.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Luca Massaro é um jovem com algumas ideias malucas e boas dentro da cabeça. Estamos conversando com ele há um mês aproximadamente, e desde o primeiro email que trocamos, já deu pra perceber que estávamos lidando com um entusiasta, um sangue novo cheio de energia pra fazer e mostrar seu trabalho.

O cara parece fotografar qualquer coisa que ele vê pela frente. Com uma já extensa gama de projetos pessoais e trabalhos comissionados, Luca está criando um estilo interessante, baseado em diversas referências e influências. Dos arquitetos radicais da década de 1960 Superstudio até o grande artista contemporâneo Wolfgang Tillmans, suas fotos parecem conectar tudo isso em uma obra única.

Em Partout, Luca realiza diferentes tipos de trabalho em colaboração com Claire Duport, Francesco Tacchini, Massimiliano Savino and Dumbo Gets Mad. O projeto se consiste em uma série de imagens a ser exibida em Paris (16 a 18 de novembro), o livro “Quaderno” e a Continuous Exhibition. Partout representa a arte de Luca em seu maior potencial. 

*Se você está em Paris essa semana, não hesite em aparecer no Partout: de 16 a 18 de novembro, 19-21h. 37 Rue Breguet, Paris 75011.

Oi Luca. Antes de tudo, muito obrigado por conversar com a gente e dividir um pouco do seu trabalho. Você pode se apresentar e também falar do trabalho que tem feito nos últimos meses?

Oi ciao, meu nome é Luca Massaro, 21 anos, fotógrafo italiano agora morando em Paris. Depois de um incrível verão no Japão, me mudei pra cá em setembro para o emu último ano de faculdade que estou fazendo na Sorbonne. Estou estudando literatura e comunicação e estou trabalho na minha tese sobre análise semiótica de imagens fotográficas. 
Eu me encontrei como nunca em Paris. Conheci gente interessante e vivo num ambiente novo e estimulante. Durante os últimos meses tenho fotografado pra revista Bullett a pra Vice da França, e tenho trabalho em dois projetos pessoais. O primeiro, ‘Partout’, vai ser exibido essa semana no meu estúdio em Paris, de 16 a 18 de Novembro.

Seu trabalho tem muito a ver com os espaços e a relação que as pessoas tem com eles. Em ‘Partout’, não só o tema das fotos, mas o jeito que você as apresenta, enfatiza a diferença de dimensão das coisas. Através de três tipos de apresentação (a exposição no seu atelier, o livro e o video) você consegue mostrar seu trabalho a partir de diferentes perspectivas. De maneira que ‘Partout’ tem referências arquitetônicas (Superstudio) mas é você que atua como arquiteto e constrói coisas. Você pode nos contar mais sobre o Partout e como teve a ideia de executá-lo?
Existem várias referências visuais, desde meu caderno da escola, ‘Quaderno‘, ao minimalismo; de arquitetura radical até Ghirri e Egglestone. Eu estava conversando com meu amigo arquiteto Massimiliano sobre a ideia por trás do ‘monumento contínuo’ do Superstudio, incríveis artistas italianos, (anti-)arquitetos e (anti-)designers da década de 60. O padrão minimalista deles me impressionou demais e me lembrou do grid de fotografia. Na verdade, acho que Partou é uma reflexão visual sobre a fotografia como mídia, e logo, sobre como a nossa mente funciona nessa sociedade de imagens. Eu li “La Chambre Claire” do Barthes, que fala que toda foto tem um “punctum”, um componente da imagem, normalmente no centro da foto, que é mais importante do que os outros e atrai a atenção do espectador. Isso é verdade pra maioria das fotos que estamos acostumados a ver, todo dia, em qualquer lugar. Mas seria possível ver as coisas com uma linguagem decodificada diferente? Com ‘passe-partout’ (da mesma maneira com fotografias), é possível achar um punctum ‘partout’, em qualquer lugar?

Seu trabalho está provando que não existem barreiras para apresentar fotografia. Você conseguiu isso não só em ‘Partout’, mas também em ‘Post-it Exhibition’ que você fez em Milão, onde traçou um paralelo com as ‘fotos do mural’ do Facebook. A gente pode chamar isso de fotografia de rua, ou tumblr físico. Existe algum significado especial em fazer isso? De alguma maneira, você está questionando a importância das galerias?
Sim, ultimamente tenho lido bastante sobre espaços. Em “Lighter” do Tillmans, por exemplo, o tema é o espaço da exposição em si e de instalações. Eu acho isso muito interessante e estou tentando mostrar meu trabalho de maneiras diferentes. Experimentando o livro como um meio, fazendo livros ‘menabò’, com referências de escultura. Eu estou tentando fazer o mesmo com o espaço das exposições e a relação que o espectador tem com ele. Esta exposição no meu estúdio vai fechar um ciclo de exposição que tenho feito esse ano. Na primeira, o espaço interativo de uma ‘happening exhibition’ fez dos espectadores, espectadores. Na segunda, ‘Post It Exhibition‘, eu estava mundo influenciado por ‘street art’ e a reconfiguração da arte, instituições e a relação do espectador, mas também pela diferença entre realidade vista e a realidade fotografada, como em “One and Three Chairs”, de Kosuth. Então, teve a ‘Continuous Exhibition’, em colaboração com Massimiliano Savino e Dumbo Gets Mad, que pretende ser uma reflexão sobre a exposição nos tempos do espaço virtual, tumblr, sites… tudo isso com um video provocativo no youtube. Eu também estou muito animado em apresentar o “Partout” no meu estúdio, numa exposição muito pessoal e auto-curatorial. 

Você já contribuiu com algumas revistas importantes como AnOther, Bullett, Vice, Pizza e Pig Magazine… Quais são as principais diferenças do seu trabalho profissional pra esses comissionados?
Estou tentando usar “as revistas como meu meio de arte primário”, como Tillmans uma vez disse. Pra ser sincero, não vejo nenhuma contradição que muitos artistas vêem entre trabalhos comissionados e projetos pessoais. Artistas e escritores usaram e até criaram revistas como forma de arte (desde Dada e Warhol até a Toilet Paper do Cattellan). Estúdos de mídia me influenciaram muito, então estou feliz em colaborar com ela (até como jornalista) desde que eu trabalhe do jeito que eu quero, sem promessas. Eu vejo um link entre os temas e o estilo que eu uso entre meus trabalhos pessoais e comissionados. Por exemplo, em dezembro eu vou fotografar um editorial de moda pra uma revista muito boa e vou usar as mesmas referências visuais do ‘Partout’ nas roupas e nas arquiteturas. Pra mim, fotografia é sempre um ótimo jeito de ver o mundo, de pensar. Eu quero que meu trabalho fique entre arte e vida, “na combinação entre um espelho e uma enciclopédia”, como as primeiras palavras de um livro que comecei a ler ontem.

Você pode nos contar sobre suas referência? De onde essa relação tão forte com a arquitetura e assuntos urbanos vem?
Meu amigo Massimiliano Savino me aplicou e explicou sobre arquitetura e design. Do “menos é mais” do Mies Van der Rohe até o Memphis Group, pra coisas mais viajadas. Eu não quero focar minhas lentes num único objeto e me repetir pra sempre no mesmo estilo e nos mesmos campos. Eu sou muito curioso e leio muita coisa, desde literatura a artigos de arte: é por isso que me interessei por arquitetura e design e estou tentando me expressar através da fotografia. Arte não uma bela arquitetura e design sem uso? Arquiteutra e design não é uma arte sem uso? Foi-se o tempo em que o artista era mais abertos a experimentar e se expressar por meios diferentes. É isso que eu quero fazer.

Ultimamene minhas influências vem de amigos, fotógrafos (de Ghirri a Tillmans a Soth e Lange), livros de arte, exposições e revistas, música (do bom e velho Dylan, Madlib, Rino Gaetano e Arthur Russell, até o novo Kindness, Dumbo Gets Mad, Joey Badass e Steve Gunn), design, livros (Estou lendo Borges e Benjamin), cinema (Bresson, Fellini, Malick) e a lista não acaba. Como Dylan disse uma vez “toda esquina está cheia coisas que me influenciam”. A propósito, se eu tivesse que escolher a minha maior influência, escolheria o próprio Bob Dylan.

Algum plano futuro?
Sim, muito planos! Estou fazendo a exposição do ‘Partout’ essa semana de 16 a 18 de novembro, das 19-21 hrs – 37 Rue Breguet, Paris 75011.

Depois vou estar na Sardinia a partir de 20 de novembro. Fui convidado pelo novo Urban Center of Nuoro pra fazer uma reportagem pra uma exposição minha que vai rolar na galeria deles em dezembro, e uma  aula de fotografia (pra minha tese), pra alguns alunos do último ano do liceu, que são só 3 anos mais novos do que eu. Isso é um pouco assustador ahah.
Em dezembro algumas das minhas fotos vão ser publicadas na Vice e numa zine italiana. No final de dezembro e janeiro vou fazer uns trabalhos comissionados bem legais. E vou continuar trabalhando nos meus projetos pessoais ‘Philologia’ and ‘Partout’. Eu realmente quero publicá-los em forma de livros.