Mark Dorf: Axiom & Simulation

por | by CAIO MEIRELLES

Nascido no Kentucky e trabalhando atualmente no Brooklin, NY, Mark Dorf é um jovem artista que se utiliza da fotografia para investigar a obsessão humana por reinterpretar a natureza através de formas e padrões familiares, buscando assim facilitar a sua compreensão.

Sua mais recente série Axiom and Simulation apresenta uma série de fotografias realizadas em áreas isoladas da Islândia. Ao aplicar por sobre as imagens interpretações geométricas de formas naturais vistas na paisagem, eixos e coordenadas que apresentam a curva de um rio como o resultado de uma equação ou até mesmo os tons Pantone encontrados em um determinado enquadramento, Dorf propõe um incrível diálogo entre a complexa infinidade de formas da natureza e o racionalismo científico que ajuda a desvendá-las. Este diálogo, porém, não pretende exibir semelhanças, mas sim diferenças. A série nasceu do desejo do artista em criar uma obra em que arte e ciência pudessem interagir de forma a evidenciar o vazio entre a realidade observada e a simulação científica proposta. Mark diz: “ao olharmos para os dois elementos, lado a lado, o real e o calculado, em um primeiro olhar eles parecem totalmente independentes, sem nenhuma conexão, apesar de na verdade serem a mesma coisa descrita através de linguagens completamente diferentes”. Para além desta diferença entre ambos, o mais interessante aqui é perceber que, mesmo imprecisa em sua tradução, a simulação se mostra indispensável quando o objetivo é compreender o questionamento levantado.

Em tempos atuais, em que a vida urbana, seus desafios e possibilidades parecem conduzir a maior parte da criatividade empregada tanto no meio acadêmico quanto no artístico, o trabalho apresentado por Mark Dorf chama atenção para a primeira fonte de inspiração humana: a natureza. Foi a partir de sua observação que seres humanos desenvolveram soluções em arquitetura e design, permitindo que chegássemos até aqui. Ao nos lembrar disso, Dorf torna evidente o processo que ainda garante nossa constante evolução. Um processo em que estudo e simulação se tornam a chave para a compreensão e, finalmente, para a superação.

Born in Kentucky and currently working in Brooklyn, NY, Mark Dorf is a young artist who uses photography to investigate the human obsession with reinterpreting nature through familiar forms and patterns, thus seeking to facilitate their understanding.

His latest series “Axiom and Simulation” presents a series of photographs taken in isolated areas of Iceland. By applying over the images geometric interpretations of natural forms seen in the landscape, axes and coordinates which represent the curve of a river as the result of an equation or even Pantone colors found in a particular shot, Dorf proposes an incredible dialogue between the complex forms of nature and the scientific rationalism that helps uncover them. This dialogue, however, is not intended to show similarities, but differences. The series was born from the artist’s desire to create something where art and science could interact in order to highlight the gap between reality and simulation. Mark says: “when looking at the two elements side by side, the real and the calculated, at first glance without in depth analysis they can appear as totally independent ideas with no connection whatsoever even though they are in fact the same things just described with two completely different languages”. Regardless of the difference between them, the most interesting thing here is to realize that even inaccurate in his translation, simulation is indispensable when the goal is to understand the questions raised.

Nowadays, when urban life, its challenges and opportunities seem to lead most of the creativity employed both in academic and artistic studies, the work presented by Mark Dorf calls attention to the first source of human inspiration: nature. It was through its analysis that humans have developed solutions in architecture and design, allowing us to get this far. When doing this, Dorf makes evident that this process still ensures our continued evolution. A process in which study and simulation become the key to understanding and ultimately to overcome.

*extracted from Ain’t Bad Magazine

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket